quinta-feira, 29 de junho de 2017

Prazo para pedir indenização por dano moral - Código Civil -

Qual o prazo estipulado no Código Civil, para pedir indenização por dano moral?




Para começar, é importante destacar que o prazo para a reivindicação de um direito, está ligada à prescrição.
Prescrição é a perda do direito de ação, ou seja, ocorrendo a prescrição, o indivíduo não pode mais reivindicar um direito por meio da ação pertinente pela via judicial ou arbitral.
O nosso Código Civil, no artigo 189, indica que "Violado o direito, nasce para o titular a pretensão, a qual se extingue, pela prescrição, nos prazos a que aludem os arts. 205 e 206."
Partindo da determinação desse artigo 189, do Código Civil, o artigo 206, parágrafo 3º, V, do Código Civil, determina que prescreve em três anos a pretensão de reparação civil.

Clique aqui para visitar o site da Advogada Ana Lucia Nicolau

domingo, 25 de junho de 2017

Penhora de valor para pagamento de pensão alimentícia

O alimentando (quem recebe pensão alimentícia) pode promover ação de execução e pedir a penhora de valor, depositado em caderneta de poupança, do alimentante (quem paga pensão alimentícia).



Dinheiro, depositado em caderneta de poupança, de pessoa (alimentante) que não cumpriu o dever de pagar pensão alimentícia, pode ser penhorado, para quitação da dívida, relativa aos alimentos devidos, conforme, determina o parágrafo 2º, artigo 833, do Código de Processo Civil.

Clique aqui para visitar o site da Advogada Ana Lucia Nicolau

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Testemunhas - Código Civil -

Para o Código Civil, quem não pode ser testemunha? 



O nosso Código Civil determina, no artigo 228, que não podem ser admitidos como testemunhas os menores de dezesseis anos; o interessado no litígio, o amigo íntimo ou o inimigo capital das partes; os cônjuges, os ascendentes, os descendentes e os colaterais, até o terceiro grau de alguma das partes, por consanguinidade, ou afinidade.

Clique aqui para visitar o site da Advogada Ana Lucia Nicolau

sábado, 17 de junho de 2017

Associação - Categoria com vantagem especial para algum associado

Tem validade o estatuto de uma associação que institui vantagens especiais -para alguns associados?




Sim, o artigo 55, do Código Civil, determina que:

"Os associados devem ter iguais direitos, mas o estatuto poderá instituir categorias com vantagens especiais"

Clique aqui para visitar o site da Advogada Ana Lucia Nicolau

terça-feira, 13 de junho de 2017

Para o Código Civil, o que é contrato estimatório?




O nosso Código Civil determina o que é contrato estimatório (também conhecido como de venda em consignação) no artigo 534, da seguinte forma:

"Pelo contrato estimatório, o consignante entrega bens móveis ao consignatário, que fica autorizado a vendê-los, pagando àquele o preço ajustado, salvo se preferir, no prazo estabelecido, restituir-lhe a coisa consignada."

Clique aqui para visitar o site da Advogada Ana Lucia Nicolau

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Estatuto do Idoso - treinamento e capacitação dos profissionais nas instituições de saúde -



O direito do idoso - no atendimento por profissionais treinados e capacitados, nas instituições de saúde - está contido no artigo 18, do Estatuto do Idoso, Lei nº 10.741/03, da seguinte forma:

"As instituições de saúde devem atender aos critérios mínimos para o atendimento às necessidades do idoso, promovendo o treinamento e a capacitação dos profissionais, assim como orientação a cuidadores familiares e grupos de autoajuda."

Clique aqui para visitar o site da Advogada Ana Lucia Nicolau

sábado, 3 de junho de 2017

Decisão do STJ - Cobrança de taxas condominiais - Prazo de 5 (cinco) anos

Interessante decisão divulgada no Informativo de Jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, publicado em maio/2017, marcando o prazo prescricional quinquenal, para a cobrança de dívidas condominiais ordinárias e extraordinárias.

O crédito do condomínio edilício - referente às contribuições ordinárias ou extraordinárias previstas na respectiva convenção ou aprovadas em assembleia geral, desde que documentalmente comprovadas, é título executivo extrajudicial, conforme determina o artigo 784, inciso X, do Código de Processo Civil, e, por isso, o condomínio pode promover execução judicial, para recebimento de dívida relativa à falta de pagamento de taxa condominial.

Abaixo, cópia da informação sobre a decisão, fornecida pelo STJ.



Processo: REsp 1.483.930-DF, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, por unanimidade, julgado em 23/11/2016, DJe 1/2/2017. (Tema 949) 
RAMO DO DIREITO: DIREITO CIVIL
TEMA: Cobrança de taxas condominiais. Dívidas líquidas previamente estabelecidas em deliberações de assembleias gerais constantes das respectivas atas. Prazo prescricional. 
DESTAQUE: Na vigência do Código Civil de 2002, é quinquenal o prazo prescricional para que o condomínio geral ou edilício (vertical ou horizontal) exercite a pretensão de cobrança de taxa condominial ordinária ou extraordinária, constante em instrumento público ou particular, a contar do dia seguinte ao vencimento da prestação.
INFORMAÇÕES DO INTEIRO TEOR: A questão controvertida consiste em saber, na vigência do CC/2002, o prazo prescricional para a cobrança de dívidas condominiais ordinárias e extraordinárias. À luz do CC/2002, não cabe a aplicação do prazo geral e residual do art. 205, pois o art. 206, § 5º, I, ao dispor que prescreve em 5 (cinco) anos "a pretensão de cobrança de dívidas líquidas constantes de instrumento público ou particular", amolda-se ao caso. Nesse passo, o novo CPC, ao estabelecer, no art. 784, X, que são títulos executivos extrajudiciais o crédito referente às contribuições ordinárias ou extraordinárias de condomínio, previstas na respectiva convenção ou aprovadas em assembleia geral, desde que documentalmente comprovadas, corrobora o entendimento firmado no âmbito do STJ de que se cuida de obrigação líquida. É dizer, conforme iterativos julgados das duas turmas de Direito Privado do STJ, "[a] pretensão de cobrança de cotas condominiais, por serem líquidas desde sua definição em assembleia geral de condôminos, bem como lastreadas em documentos físicos, adequa-se com perfeição à previsão do art. 206, § 5º, inc. I, do CC/2002, razão pela qual se aplica o prazo prescricional quinquenal". (AgRg no REsp 1.454.743-PR, Quarta Turma, DJe 26/11/2014). Consoante os precedentes que se formaram nesta Corte Superior, o art. 206, § 5º, inc. I, do CC/2002, com clareza, exige "apenas" que a dívida seja líquida, constante de instrumento particular ou público, que, pois, demonstre-a. E não, necessariamente, que tenha sido contraída em um desses instrumentos. O fato de o dever de pagar taxa condominial decorrer da lei, e não de negócio jurídico, é impertinente para a solução da questão, pois, como visto, o dispositivo não estabelece esse critério. A taxa condominial é débito previamente deliberado em assembleia geral - constante e definido, pois, na respectiva ata, que, consoante propugnam a doutrina e a jurisprudência, tem de instruir a exordial da ação para a comprovação do débito cobrado e a garantia do contraditório ao devedor. Ademais, o prazo para a perda da pretensão – tema de direito material – não deve ser definido pelo instrumento processual utilizado pelo condomínio. Por ocasião do julgamento do REsp 1.101.412-SP (sob o rito do art. 543-C do CPC/1973), sufragando a mesma tese consubstanciada na Súmula n. 503/STJ, foi expressamente ressalvado que é fora de dúvida que não é o tipo de ação – de conhecimento em sua pureza ou monitória – utilizada pelo credor, que define o prazo prescricional para a perda da pretensão. Nesse sentido, menciona-se recente precedente da Quarta Turma do STJ (AgInt no REsp 1.452.757-SP, Quarta Turma, DJe 18/10/2016). (Informativo n. 596) 
Clique aqui para visitar o site da Advogada Ana Lucia Nicolau